quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Hoje, o entardecer...


Era destas cores de azul e rosa e oiro
O dia a entardecer...
Que olhei com o encanto e o prazer
de um milagre de que o amor é o tesoiro.

Há o silêncio natural da hora incerta
imbuída do enlanguescer desta agonia
que plasma em cor e doce melodia
o extenso espaço desta cratera aberta.

Absorta na beleza do momento
consigo esquecer toda a ansiedade
 provocada pelo sentir a soledade
das nuvens de luz tocadas pelo vento...

...ébrias de azul e luz 
 rosas de doçura
na languidez de amor
do sol poente...




quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Segredo de amor...

Estendo-te os braços como uma criança
E aí acaba o mundo para mim...
Sonho o momento
Que nunca sei ser por aqui
Ou numa qualquer frança
E encontro uma espécie de vácuo
Ao meu redor

Perdido num qualquer lugar
Esvaída a tua sombra leve no horizonte
Não sei onde te achar...
Nunca soube
Onde encontrar-te, procurar-te
E entreguei sempre ao vento
A ternura imensa por mim sentida
Para te acalentar...

A que sentiste, creio, no meu sorriso
Ou no meu olhar
E nunca te mentiu
Mesmo no silêncio
Ou na revolta
Mesmo não entendendo o porquê do segredo
Ou a razão do não querer amar
Tantas e tantas vezes envolta
Na rejeição ou suspeição
Da palavra encantar...



terça-feira, 27 de dezembro de 2011

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Viver é...ser




Ser livre não é manter-se 
intocável, sem entregas,
nem se dar, também, às cegas
a tudo que nos agrade.
Ser livre é viver a idade,
que sente o nosso querer,
é viver conforme a vida,
é sobretudo viver.

E viver - vontade férrea - 
é constantemente ser
resolvido como a terra.

Leila Miccolis, in Silêncio Relativo

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Sede intensa


Sede intensa e sentida
estranha e desesperada
como mágoa condenada
 a envenenar
como cantochão a pairar
emm fundo sonoro
 e quase insano
deste meu viver

26.04.2010

domingo, 18 de dezembro de 2011

Átomos invisíveis...


O invisíveis átomos do ar em volta
palpitam e inflamam-se,
o céu desfaz-se em raios de oiro,
a terra estremece em alvoroço.

Oiço flutuando em ondas de harmonias
rumor de beijos e bater de asas.
Minhas pálpebras fecham-se...

O que acontece?
Diz-me?

Silêncio! É o amor que passa!

Gustavo Adolfo Bécquer

sábado, 17 de dezembro de 2011

Estremecer...

Se alguém diz: Vem!
às vezes não se pode
outras não se quer
outras apenas se sonhou
 ou se arquitectou
 terna fantasia...
Um pouco de tudo
além de coragem
a combater egoísmos...
Nada se quis de mais.
E o que foi pesadelo
foi só culpa do amor
por estremecê-lo... 

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Cançâo da chuva



Linda Wood

Hoje a chuva burilou na vidraça
 umaa canção de saudade
e o vento embravecia
 com a forte tonalidade
de um abraço

O céu em agonia
era fantasma cinzento 
de um dia passado
jamais isento 
de doçura e magia.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

RosaSolidao: OBRIGADA

RosaSolidao: OBRIGADA

Sei não desistir...


Afremov

!7.01.2011

Apetece tanto desistir de mim
Fechar portas
Entregar-me ao esquecimento.

esquecer que há vida, mundo, conceito...
e a terrível tentação 
de não deixar o leito
e fugir ao pensar
fugir a olhar...
simplesmente florir
com aquela natural sabedoria
e a beleza e harmonia
com que o vento arrasta as folhas
pelo ar.

Hoje, dia sem bruma, com frio, 
 sem vento nem substância
fito indiferente
a distância
sem vontade de dizer Presente...
E estou sempre deste lado,
por aqui...
talvez porque sinta
confusa e triste
que morri de ti.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Sufocando


No suceder das manhãs iluminadas
sofro a tua ausência
A solidão desce como cortina que sufoca
por saber que possas estar só
Se posso, projecto no azulíneo do espaço
um pensamento intenso
que nasce e se transforma em prece
Outras vezes choro baixinho
engolindo soluços 
que não sei soltar
e uno-me a ti sem que o percebas

domingo, 11 de dezembro de 2011

Exigências

Exigências da amizade:

Franqueza

Sinceridade

Lealdade Incondicional

Auxílio até ao sacrifício...

são estímulos para o amadurecimento  moral

e enobrecimento-

A amizade genuína requer:
tempo
espaço 
e trabalho para a conservar.
è sem dúvida uma forma de AMOR, pois este nunnca poderá sobreviver sem aquela.

Silent Night

Educação...

Educação
tal como delicadeza
também enferrujam
com a falta de uso...

Apanhar folhas do chão

Quando calei... tinha medo
Não perguntei de quê
Por que...ou porque não...

Talvez por não interessar
a ninguém mais
Tanta gente há de pouco
interessante sobre a terra!...
A começar por mim..

sábado, 10 de dezembro de 2011

Envelhecendo

não sei quem era rosyluzes,
o autor/a (?) deste texto...
Na época calou dentro de mim.
Envelheço...
- quando me fecho para as novas ideias
 e me torno radical
- quando o novo me assusta
e me torno comodista
- quando meu pensamento
abandona a casa e volta sem nada
- quando me torno impaciente,
intransigente e não consigo dialogar
- quando penso muito em mim mesmo
e me esqueço dos outros
- quando penso em ousar
mas tenho medo da ousadia
- quando permito que o cansaço
 e o desalento tomem conta da minha alma
- quando tenho a sorte de amar
mas vence o medo de arriscar
- quando, em suma, paro de lutar.

Envelheço, sei disso.
No momento, já nada importa.
Envelhecer...também é preciso
como tudo que é natural.