segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Elevando asas...


1958.VI.16

 Eleva-te, minha alma, sempre p´rás alturas!...

"[...] Era o eterno paradoxo que se revela sempre na existência dos pensadores - o constante anseio de calma em plena tempestade, o eterno desejo de vendavais no oásis da quietude." - Stefan Zweig

sábado, 28 de dezembro de 2013

Incerteza...


Porquê esta apatia, esta incerteza
Latente na Ilusão esfarrapada?...
Porquê este viver de condenada
Que não rompe grilhões da natureza?...

Porque não há momentos, nem beleza,
Vestindo a dor da alma magoada?
Porquê  lançada na finita estrada
Se a cada passo urge a incerteza?

Agora se me perguntas o porquê
Pensa um momento - descobre, vê:
Não sou ainda ruínas, nem escombros.

Nem sempre riu a boca da menina
E embora doce rosa matutina
Pesou-lhe já a vida sobre os ombros.

 Helen May, [Maio ,1958]

domingo, 15 de dezembro de 2013

Acordar cedo...


[2013.12.10]
Acordo para mais um dia 
de mais um mês,
 de mais um ano
Corro cortinas
abro janelas
perscruto o sol da manhã
Faço coisas  penso outras
sinto outras ainda
e o cansaço vem e instala-se
nos meus músculos doridos
já tão cansados da labuta inglória
Depois fecho janelas para a noite
ao correr cortinas de silêncio e pesar
olhando o amplo  céu 
onde agora brilha uma falsa estrela
que me encanta por vezes
outras me leva a estremecer de frio ou medo 
Tento ignorar ânsias, cuidados,
até, se possível, a própria dor
Se acordo na noite ou na madrugada
vou contemplar a geada sobre a terra gelada
Se posso, trabalho sob o sol cálido
 de um outono seco e luminoso 
tecendo recordações de sonhos
  no tricot dos dias
Em soluços contidos
ainda vislumbro os poucos 
mas intensos momentos de amor
Acordo porque tem de ser
E retorna o cansaço de mais um dia
que me fecha os olhos
para acordar de novo
para um outro retalho de tempo...
sem preencher o vazio
apenas procurando 
 nunca esmorecer.