sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Chuva...


Cai grossa a chuva 
ora lenta 
ora  veloz 
com os açoites do vento.

Fraca  é a força de elevar o pensamento
 e o fazer voar...
Jaz agarrado à terra
 com as pétalas da rosa
que floriu sem primavera ...

Há um coração cheio de ruídos-
-retalhos chãos que aproveito 
e me levam a pensar
assustadoramente
numa manta rota de dias por passar.

E nos ouvidos endurecidos pela angústia
sinto o som rouco da chuva a vibrar.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Bola de sabão...


Eram momentos de sonho que reflectiam coisas
e uma nesga de céu
Era só uma nesga de azul
confundida com água
numa mistura de sabão

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Pasmado coração...


Mais um ano;
mais um  mês;
uma nova semana;
 um outro dia 
 me são concedidos
no meu percurso humano.
A cada hora,
 a cada decisão,
  escrevo a história desse percurso:
  tem o peso do passado
e as limitações de uma personalidade magoada
pelas dores do corpo e do espírito.

Coisas e pessoas estão à minha volta:
rostos amigos e mãos desconhecidas
chegam até mim.
Pedir-me-ão um sorriso,
talvez ajuda,
um pouco do meu tempo,
um retalho breve da minha vida.

E a vida - o que é?
Que representa para eles, para mim?...
...Se há nela tanta dor,
tanto mistério?...

Preciso afugentar angústias
e abrir os olhos pasmados
como menino que olha 
o imenso mar rolando sobre a areia
se brinca na praia...
 Dele receia, 
mas aprende a conhecer
 o amor que o rodeia 
se as mãos que o prendem 
são suaves, leais e formosas
quando seguem seus passos ligeiros
 ainda vacilantes,
 com ternura ansiosa.
O menino  guardará delas então
a mais bela imagem,
o mais belo perfume,
nos escaninhos secretos
do seu virgem coração.

Um menino pasmado...
era assim meu coração.

[Algures... - 2006]







segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Flor de amendoeira...


Houve tempo em que me queixei da vida...
por mal saber que havia flores.


Como amendoeira que floresce com os primeiros calores do ano que mal nasceu ,
um sopro de confiança faz com que floresçam de novo os desertos do coração.
Alentado por este sopro...  desejará aliviar a dor e as duras provas sofridas.
Mas serão precisas abelhas... 

[II.00.VI]