domingo, 9 de fevereiro de 2014

Pasmado coração...


Mais um ano;
mais um  mês;
uma nova semana;
 um outro dia 
 me são concedidos
no meu percurso humano.
A cada hora,
 a cada decisão,
  escrevo a história desse percurso:
  tem o peso do passado
e as limitações de uma personalidade magoada
pelas dores do corpo e do espírito.

Coisas e pessoas estão à minha volta:
rostos amigos e mãos desconhecidas
chegam até mim.
Pedir-me-ão um sorriso,
talvez ajuda,
um pouco do meu tempo,
um retalho breve da minha vida.

E a vida - o que é?
Que representa para eles, para mim?...
...Se há nela tanta dor,
tanto mistério?...

Preciso afugentar angústias
e abrir os olhos pasmados
como menino que olha 
o imenso mar rolando sobre a areia
se brinca na praia...
 Dele receia, 
mas aprende a conhecer
 o amor que o rodeia 
se as mãos que o prendem 
são suaves, leais e formosas
quando seguem seus passos ligeiros
 ainda vacilantes,
 com ternura ansiosa.
O menino  guardará delas então
a mais bela imagem,
o mais belo perfume,
nos escaninhos secretos
do seu virgem coração.

Um menino pasmado...
era assim meu coração.

[Algures... - 2006]







1 comentário:

  1. Muito bonito; Maria! E é assim que deve andar o nosso coração, pasmado...espantado com os maravilhosos nadas da vida. Claro que a vida é muitas

    vezes " madrasta ", dando-nos muito sofrimento e o que nos custa mais a suportar é ver milhões gastos em viagens ao espaço em armamento e não haver forma de acabar com a fome e todas as demais misérias vividas por muita gente. Costumo dizer que " se não somos capazes de cuidar do planeta terra para quê .andar à procura de outros ?..´´E tão fácil fazer uma criança feliz, amiga!!! Beijinhos e..gostei muito. deste teu Percurso que é o de todos nós, um percurso feito do que fomos no passado e do que queremos para este nosso presente.; ele depende muito de nós. Fica bem!
    Emília.

    ResponderEliminar