terça-feira, 15 de abril de 2014

Nocturno momento...


Naquela noite...
dum dezembro álgido
e vento cortante,
 alguém falou
falsamente denunciou
chalaceou...
chicoteou...

Naquela noite,
o ódio entranhado da máfia
 atacou
         enlameou...

Fez-se silêncio.

Foi também naquela noite,
que alguém te virou as costas...
e chorou.

4 comentários:

  1. Um poema cheio de mágoa. Parece que vi as lágrimas...
    Beijo e Boa Páscoa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém viu. Ou sequer sentiu.
      Talvez estranheza... e, bem mais tarde, desconforto.

      Eliminar
  2. Uma noite (quase) igual a tantas outras.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foi, creio. Ou não teria surgido por aqui...

      Eliminar