segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Clepsidra tombada


Tombou a clepsidra... Silenciou a dor.
 O encanto de viver estagnou sem pranto.
Primitivos, alheios de si, tombam desejos
Que já nem o vento faz ecoar nas frias noites
  Em que vomita horror.

Tombou a clepsidra... sem tombar a dor
Ciciando segredos de doçuras de amor
Nas rugas de um manto gelado de espanto 
No leito vazio da noite do encanto...
E a tarde despede os silêncios
De fins de dia dobrados a rigor
Em brancos lençóis  de linho
Rescendentes a alfazema e alvor...

Jaz aí a clepsidra tombada... Só resta o nada 
Dos dias esfarelados na monotonia:
Eventos com chuva e sol e neblinas
E lembranças... 
Asas de boninas 
A espairecer na fímbria do não ser.

2 comentários:

  1. Se ao tombar a clepsidra pudéssemos parar o tempo magoado...
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Magoado? Já não.
    Apenas sugerido por uma bela imagem.
    Beijo.

    ResponderEliminar